segunda-feira, 7 de maio de 2012

O Começo do Fim... e O Fim do Começo - Parte I

Mais uma parte da história do Rio de Janeiro foi apagada. No dia 02 desse mês, foi iniciada a demolição da Estação Francisco Sá, na região conhecida como Complexo Ferroviário de Barão de Mauá, no bairro de Praia Formosa. Quase 1 mês depois da demolição do que restava das oficinas e do pátio de Alfredo Maia e o fechamento do acesso ferroviário para Barão de Mauá e Praia Formosa, a estação inicial da Estrada de Ferro Rio D'Ouro também teve seu destino decidido. Abaixo, o histórico das 4 estações (na verdade das 7), com fotos e mapas, e na segunda parte fotos da demolição de Francisco Sá:
Another part of the history of Rio de Janeiro has been deleted. In the second day of this month, began the demolition of Francisco  Station, in the region known as Barão de Mauá Rail Complex in the neighborhood of Praia Formosa. Almost one month after the demolition of what remained of the workshops and yard of Alfredo Maia Station and the closure of rail access to the Barão de Mauá and Praia Formosa Stations, the station's of original railroad Rio D'Ouro also had their fate decided. Below, the history of the four stations (actually the seven!), with photos and maps, and photos in the second part of the demolition of Francisco :

Resumo Histórico


A primeira ferrovia a chegar na região foi a EF Central do Brasil, em 1858. A estrada de ferro começava um pouco antes, na então Estação do Campo (hoje Estação Dom Pedro II). Pouco mais de 1,5 km depois, chegava-se em São Diogo, onde a Central mantinha uma estação para cargas e suas oficinas, inclusive com uma rotunda. Em 1902, a EF Melhoramentos, que começava na Estação da Mangueira, também da Central, abriu o Ramal da Ilha das Moças, passando pelas Estações de Alfredo Maia e Ilha das Moças. Quase 3 anos depois a Central inicia uma pequena retificação do trecho inicial de sua linha, por causa da construção do Canal do Mangue, o que necessitou de uma ponte. A Estação Alfredo Maia foi desativada e em seu lugar foi construída a Estação Inicial, que, como o próprio nome diz, serviria para ser o ponto inicial da EF Melhoramentos, que já pertencia a Central e era chamada de Linha Auxiliar. Esse trecho foi inaugurado em 1907, junto com a Estação Lauro Muller, mas antes, em 1906, a Estação Inicial foi desativada e em seu lugar foi construída a Estação Alfredo Maia, em local diferente da primeira Alfredo Maia, de 1902.
Em 1909, outra ferrovia chega a região: a EF Leopoldina, que começava anteriormente na Estação São Francisco Xavier, da EF Central do Brasil. Abriu a Estação Praia Formosa, separada da Estação Alfredo Maia apenas pela Rua Coronel Pereira de Mello. Na verdade, era para ser uma estação provisória, pois a Leopoldina tinha planos de abrir uma estação bem maior para passageiros ao lado, que não foi construída por causa de discussões entre esta e a Central, que defendia que os trens da Linha Auxiliar também deveriam partir dessa estação. No ano de 1922 a EF Rio de Ouro, que havia sido adquirida recentemente pela Central, também abre uma estação na  região, dessa vez um pouco antes, a Estação Francisco Sá. Com isso, a Central passou a ter uma estação suficientemente grande para seus trens de passageiros e as discussões com a Leopoldina sobre sua nova estação terminal foram encerradas. Em 1926, a EF Leopoldina finalmente inaugurou sua estação terminal, a Estação Barão de Mauá, e adquiriu o Ramal da Ilha das Moças, desativando a Estação Ilha das Moças e a Estação Praia Formosa, e abrindo uma outra estação de nome Praia Formosa, dessa vez só para cargas.
Em 1930, a EF Central do Brasil inaugurou a eletrificação dos subúrbios, e também eletrificou Francisco Sá e Alfredo Maia. Dessa forma, os trens de subúrbio da Central podiam partir tanto da Estação Dom Pedro II como de Francisco Sá e Alfredo Maia. Em 1957, todas as ferrovias foram transformadas em uma só, a RFFSA. A partir dos anos 1960, começou a decadência do local. Com a desativação de diversas linhas da Leopoldina, principalmente a de Petrópolis, a Estação Barão de Mauá começou a ficar vazia, então a RFFSA extende a eletrificação até lá, e desativa a Estação Alfredo Maia, construindo um pátio no lugar. Em 1970, a EF Rio de Ouro foi desativada, e Francisco Sá perde parte considerável dos passageiros, só permanecendo alguns trens de subúrbio diretos. Em 1975, também é desativada. Em 1994, é criada a Flumitrens, uma divisão da RFFSA para administrar as linhas de subúrbio, o que incluia todas as estações da região com exceção de Praia Formosa, por ser de cargas. A Flumitrens constrói um abrigo para Trens-Unidade em Alfredo Maia, e organiza as linhas, deixando Barão de Mauá apenas como terminal da Linha Saracuruna e dos trens para São Paulo. Apenas 4 anos depois, em 1998, a Flumitrens é extinta e em seu lugar assume a concessionária Supervia. Também nesse período, em 1996, a RFFSA termina seus serviços no Rio de Janeiro e assume duas concessionárias em seu lugar: a MRS nas linhas de bitola larga, e a FCA nas linhas de bitola métrica. A partir de 2001, todos os trens que ainda partiam de Barão de Mauá são transferidos para Dom Pedro II, e a região passa a ser abandonada, apenas permanecendo alguns poucos trens da FCA com destino a Praia Formosa. Em 2003, o abrigo de Alfredo Maia também é desativado e em 2006 a FCA fecha de vez Praia Formosa, deixando toda a região abandonada. Em 2009 a FCA vende como sucata diversos vagões em Praia Formosa, e em abril de 2012 o abrigo de Alfredo Maia junto com alguns galpões ainda existentes por lá são demolidos. Também no fim do mês o acesso para Barão de Mauá e Praia Formosa é aterrado, bloqueando a passagem para estas estações. E, finalmente, no começo desse mês, a Estação Francisco Sá começa a ser demolida.
Foto de aproximadamente 1906, onde é possível ver a construção do elevado sobre o Canal do Mangue, a linha primitiva da Central, e o ponto final da Melhoramentos, Inicial ou já Alfredo Maia.

The first railroad to arrive in the region was the Central do Brazil Railway in 1858. The railroad began a little earlier, then the Campo Station (now Dom Pedro II Station). Just over 1.5 km later, arrived in San Diogo, where Central had a station for loading and their workshops, including a roundabout. In 1902, Melhoramentos Railway, which began at the Mangueira Station, also from Central Railway opened the Ilha das Flores Line, passing the stations of Alfredo Maia Island and Ilha das Flores. Almost three years later to start a small Central rectification opening words of his line, because of the construction of the Mangue Channel, which required a bridge. Alfredo Maia Station was disabled and in its place was built Inicial Station, which as the name implies, would be the starting point for Melhoramentos Railway that already belonged to Central and was renamed to Auxiliary Line.This section was opened in 1907, along with Lauro Muller Station, but in 1906, the Inicial Station was deactivated and its place was built Alfredo Maia Station in the other place than first Alfredo Maia, 1902.
In 1909, another railway reaches the region: the Leopoldina Railway, which began earlier in São Francisco Xavier Station, of the Central Railway. He opened Praia Formosa Station, separated from Alfredo Maia only by Colonel Pereira de Mello Street. In fact, a station was to be temporary, because the Leopoldina had plans to open a much larger passenger station next door, which was not built because of discussions between it and Central, which argued that the Auxiliary Line trains should also from this station. In the year of 1922 Rio de Ouro Railway, which was recently acquired by Central, also opens a station in the region, this time a little earlier, Francisco Sá Station. With this, the Central Station now has a large enough for its passenger trains and discussions with the Leopoldina about his new terminal station were closed. In 1926, EF Leopoldina finally opened its terminal station, Barão de Mauá, and acquired the branch of the Ilha das Flores, deactived Ilha das Flores Station and Praia Formosa Station, and opening another station name Praia Formosa, this time only for cargo.
In 1930, Central Railway inaugurated the electrification of the suburban trains, and also electrified Alfredo Maia and Francisco Sá Stations. Thus, the commuter trains from Central Station so they could from Dom Pedro II as Alfredo Maia and Francisco Sá. In 1957, all railroads have been transformed into one, RFFSA. From the year 1960, the place started to decay. With the shutdown of several lines of Leopoldina Railway, mainly in Petrópolis, the Barão de Mauá station began to empty, then the RFFSA extends the electrification there, and disables the Alfredo Maia, building a patio in place. In 1970, Rio de Ouro Railway has been disabled, and Francisco Sá loses considerable part of the passengers, only a few remaining direct suburban trains. In 1975, it is also disabled. In 1994, it created Flumitrens, a division of RFFSA to administer the suburban lines, which included all the stations in the region with the exception of Praia Formosa, as it loads.The Flumitrens build a shelter for unit-trains in Alfredo Maia, and organizes the lines, leaving only as Barão de Mauá terminal Saracuruna Line trains and to and from São Paulo. Only four years later, in 1998, Flumitrens is extinguished and instead assumes the Supervia company. Over the same period in 1996, RFFSA ends its services in Rio de Janeiro and takes two dealerships in its place: MRS broad gauge lines, and the FCA metric gauge lines. Since 2001, all trains that have departed from the Barão de Mauá are transferred to Dom Pedro II, and the region is to be abandoned, only a few remaining FCA trains bound for the Praia Formosa yard. In 2003, under Alfredo Maia is also disabled and in 2006 the FCA closed once Praia Formosa, leaving the entire region abandoned. In 2009, the FCA sold for scrap many passenger cars in Praia Formosa, and in April 2012 under Alfredo Maia along with a few hangars still exist there are demolished. Also at the end of the month to access the Barão de Mauá and Praia Formosa is grounded, blocking the passage for these stations. And finally, earlier this month, Francisco Sá station begins to be demolished.


Evolução das Linhas ao Longo do Tempo

Até 1904 - Ramal da Ilha das Moças (EF Melhoramentos) em verde e Linha Tronco (EF Central do Brasil)  em amarelo
1905 - Linha Tronco (EF Central do Brasil) em amarelo, Linha Tronco (Linha Auxiliar, antiga EF Melhoramentos) em azul claro e Ramal da Ilha das Moças (também da antiga EF Melhoramentos) em verde.
1906 - Linha Tronco (EF Central do Brasil) em amarelo, Linha Tronco (Linha Auxiliar) em azul claro e Ramal da Ilha das Moças (antigo EF Melhoramentos) em verde.
1907-1908 - Retificação da Linha Tronco (EF Central do Brasil) em amarelo, Linha Auxiliar em azul claro e Ramal da Ilha das Moças em verde.
1909-1921 - Linha Tronco (EF Central do Brasil) em amarelo, Linha Auxiliar em azul claro, EF Leopoldina em vermelho e Ramal da Ilha das Moças em verde.
1922-1925 - Linha Tronco (EF Central do Brasil) em amarelo, Linha Auxiliar em azul claro, EF Leopoldina em vermelho, EF Rio de Ouro em azul e Ramal da Ilha das Moças em verde.
1926-1950 - Linha Tronco (EF Central do Brasil) em amarelo, Linha Auxiliar em azul claro, EF Leopoldina em vermelho e EF Rio de Ouro em azul.
  1951-1969 - Linha Tronco (EF Central do Brasil) em amarelo, Linha Auxiliar em azul claro, EF Leopoldina em vermelho e EF Rio de Ouro em azul.
1970-1974 - Linha Tronco (EF Central do Brasil) em amarelo, Linha Auxiliar em azul claro e EF Leopoldina em vermelho.
1975-2001 - Linha Tronco (EF Central do Brasil) em amarelo, Linha Auxiliar em azul claro e EF Leopoldina em vermelho.
2002-2008 - Linha Tronco (EF Central do Brasil) em amarelo, Linha Auxiliar em azul claro e EF Leopoldina em vermelho.
2009-2011 - Linha Tronco (EF Central do Brasil) em amarelo, Linha Auxiliar em azul claro e EF Leopoldina em vermelho.
2012 - Linha Tronco (EF Central do Brasil) em amarelo, Linha Auxiliar em azul claro e EF Leopoldina em vermelho.

A história continua na próxima postagem, com a história de cada uma das estações, esquemas de linhas e fotos da demolição de Francisco Sá. 
The story continues in next post, with the history of each of the stations, line diagrams and photos of the demolition of Francisco .

3 comentários:

  1. Estação de Francisco Sá: Construção erguida em estilo clássico, com grande riqueza de detalhes na fachada. Uma verdadeira obra prima da arquitetura ferroviária e industrial, sendo apagada da história por uma bola de demolição. Que Brasil é esse, que não tem respeito com a própria história?

    ResponderExcluir
  2. Thales, gostaria de lhe fazer um convite de parceria. Seu blog é muito interessante, visito ele com frenquência! Você já deve conhecer o meu blog, o Blog Sobre os Trilhos. Estou juntando blogueiros amantes da ferrovia para fazer, a cada bimestre, postagens falando tudo sobre uma ferrovia específica. Vou começar, em junho/julho, com a E.F.O.M. Por favor, entre em contato comigo se aceitar o convite (brunoalmeida.bst@gmail.com). Obrigado. :)

    ResponderExcluir
  3. Gostaria de debater sobre a Estação Inicial Ilha das Moças... é que há um grande equívoco quanto à sua localização e gostaria de oferecer o material que possuo para elucidar essa questão. Com certeza o local que tem sido comumente indicado (ao final da desembocadura do Canal do Mangue) nunca teve qualquer estação ferroviária. O local correto é realmente onde existiu a Ilha das Moças, nas proximiodades da esquina da Rua Santo Cristo com a Rua Pedro Alves.

    ResponderExcluir